terça-feira, 20 de julho de 2010

Persona

Ela sempre achou difícil confiar. Mesmo nos momentos mais íntimos, nunca se entregou por completo. Na adolescência, já havia perdido a fé nas pessoas, no entanto seu senso de justiça resistiu firme e forte. Com seu vocabulário pobre tentava defender suas ideias, que quase sempre só faziam sentido em sua mente quase esquizofrênica. Quase, porque apesar das perseguições sofridas, dos delírios e das vozes que escutava, ainda restava a vontade de permanecer entre as pessoas sãs. Afinal, tinha sido educada para se encaixar. Vestiu-se adequadamente ( o figurino conta muito ) e passou a interpretar, sempre altiva, distante e inacessível. De vilã a mocinha, ela continua a trocar suas personas de maneira a agradar o público.

2 comentários:

  1. hahahahah....é um misto de pessoas que eu conheço.
    Tem um pouco de mim tbm!

    ResponderExcluir